PREFEITURA DE ARAÇATUBA - IPTU
Justiça & Cidadania

Acusado de assassinato no Hilda Mandarino vai a julgamento nesta quarta-feira

Affonso Portes de Souza será julgado pela morte de Alex Garcia da Silva, o Tio Chico; ele já foi condenado por outro assassinato e responde a outra tentativa de homicídio
Lázaro Jr.
12/12/2023 às 21h15

O Tribunal do Júri de Araçatuba (SP) se reúne nesta quarta-feira (13) para julgamento de Affonso Portes de Souza, 32 anos, pelo assassinato de Alex Garcia da Silva, o "Tio Chico", crime ocorrido em 6 de fevereiro de 2016, no bairro Hilda Mandarino.

 

O réu já foi condenado em fevereiro de 2020, pelo assassinato de Matheus de Souza Estavare, 19, ocorrido em maio do mesmo ano, no mesmo bairro. E foi denunciado por outra tentativa de homicídio ocorrida em dezembro de 2016.

 

No caso que irá a julgamento nesta quarta, ele foi denunciado por homicídio qualificado pelo motivo fútil, mediante dissimulação e recurso que dificultou a defesa da vítima.

 

Segundo a denúncia do Ministério Público, naquela noite Tio Chico estava em casa, na rua Sargento PM Gilberto Ba, quando surgiram dois homens em uma moto. O garupa desceu do veículo e efetuou os disparos que mataram a vítima, que chegou a correr para o interior da residência.

 

Ainda de acordo com a denúncia, os dois eram conhecidos do bairro e o réu, dias antes, teria “cantado” a namorada de um amigo da vítima. Eles teriam se desentendido, houve trocas de ameaças e desde então, Affonso teria passado a procurar o rival para matá-lo.

 

Tiros

 

Na noite do crime, o acusado teria chegado ao local acompanhado de outro rapaz que conduzia uma moto Yamaha XT 660 azul, que pertenceria ao réu. Ele teria descido da moto e caminhado até à casa de Tio Chico, onde o chamou, dizendo que queria conversar.

 

Porém, assim que a vítima saiu da casa, sem que pudesse se defender, passou a ser alvo de disparos de arma de fogo. Tio Chico chegou a correr para dentro de casa, mas foi atingido por dois tiros nas costas e morreu por anemia traumática aguda em função dos ferimentos.

 

O réu deixou o local em seguida, acompanhado do condutor da moto. Ele foi identificado como autor do crime durante o inquérito ao ser reconhecido por testemunhas, mas negou. Enviado a julgamento pelo Tribunal do Júri, já houve dois adiamentos e a sessão desta quarta-feira está marcada para as 9h.

 

Condenado

 

Em fevereiro de 2020, Affonso foi condenado a 12 anos de prisão pelo assassinato de Matheus de Souza Estavare. Ele havia sido denunciado também por uma tentativa de homicídio contra outro rapaz que acompanhava a vítima, mas foi absolvido nesse caso.

 

A denúncia desse processo informa que o réu e um amigo se desentenderam com Gabriel de Oliveira, conhecido como “Chaves”, que foi morto dias depois. Após o assassinato, houve boatos que Tio Chico queria vingar a morte de Chaves, e ele também foi morto.

 

E após o assassinato de Tio Chico, houve boatos que Estavare e um amigo, junto com outros dois rapazes, iriam vingar a morte dele. Nesse meio tempo, o condutor da moto de Affonso na noite do crime contra Tio Chico também foi morto.

 

Vingança

 

Isso teria aumentando ainda mais o desejo de vingança por parte de Affonso. Na noite do crime, a vítima e o amigo estavam em uma sorveteria quando o viram passar pelo local em um VW Gol.

 

Os dois deixaram o estabelecimento de bicicleta, mas no caminho foram abordados por Affonso, que teria passado a atirar na direção das vítimas, que pularam da bicicleta e correram. Após ser ferido, Estavare caiu e o réu se aproximou, efetuando mais disparos. Exame necroscópico apontou que a vítima levou 14 tiros. 

 

Tentativa

 

A outra tentativa de homicídio pela qual o réu deverá ser julgado pelo Tribunal do Júri aconteceu em 13 de dezembro de 2016, quando a vítima correu, mas foi atingida por disparos de arma de fogo no braço direito, pé direito e coxa direita. Esse crime também estaria relacionado às mortes anteriores.

PREFEITURA DE ARAÇATUBA - IPTU
Entre no grupo do Whatsapp
Logo Trio Copyright © 2024 Trio Agência de Notícias. Todos os direitos reservados.